Hadrat Mirza Masroor Ahmad conclui a Jalsa Salana da Alemanha de 2017 com um discurso inspirador

alislam
Por alislam Agosto 28, 2017 20:00

Carregar Arquivo PDF

Em nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso

28 de agosto de 2017 

COMUNICADO DE IMPRENSA

HADRAT MIRZA MASROOR AHMAD CONCLUI A JALSA SALANA DA ALEMANHA DE 2017

COM UM DISCURSO INSPIRADOR

Mais de 41 mil pessoas participam numa convenção de três dias em Karlsruhe

O Chefe Supremo e o Quinto Califa da Comunidade Islâmica Ahmadia, Sua Santidade, Hadrat Mirza Masroor Ahmad concluiu a 42ª Convenção Anual (Jalsa Salana) da Comunidade Islâmica Ahmadia da Alemanha, a 27 de agosto de 2017, com um discurso inspirador.

Durante o seu discurso, Sua Santidade apresentou uma resposta abrangente àqueles que alegaram que o Islão era uma religião violenta ou extremista, explicando que as guerras travadas pelos Muçulmanos no período inicial do Islão eram totalmente defensivas e foram travadas para defender o princípio de liberdade religiosa universal.

Sua Santidade disse que todas as fés e religiões principais tinham enfrentado oposição nas suas fases iniciais, no entanto, no mundo de hoje, apenas o Islão continuava a enfrentar uma oposição constante dos críticos. Infelizmente, os supostos “grupos Jihadistas” e certos governos Muçulmanos estavam a fornecer munições para os críticos do Islão, por terem cometido atrocidades hediondas e violado os direitos dos seus povos.

Sua Santidade disse que a situação atual do mundo Muçulmano era, de facto, um sinal da veracidade do Sagrado Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) como ele tinha predito que a situação dos Muçulmanos degeneraria a tal ponto que os supostos estudiosos Muçulmanos seriam as “piores criaturas debaixo dos céus”.

No entanto, além desta advertência, o Sagrado Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) profetizou advento de um verdadeiro Messias e Reformador, que rejuvenesceria os verdadeiros ensinamentos do Islão.

Hadrat Mirza Masroor Ahmad disse:

“O Messias Prometido (que a paz esteja com ele) foi enviado por Deus para iluminar o mundo com os ensinamentos verdadeiros e completos do Islão, que abrange todos os possíveis problemas dentro da sociedade, de relações domésticas dentro de uma casa, a relações internacionais e a estabelecimento da paz no mundo.”

Explicando o contexto das guerras defensivas travadas pelo Sagrado Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele), Sua Santidade disse que os primeiros Muçulmanos foram constantemente perseguidos e atormentados por treze anos.

Por exemplo, as mulheres muçulmanas tinham cada uma das suas pernas amarradas a camelos diferentes que se faziam correr nos sentidos opostos para que os corpos das senhoras muçulmanas se partissem em dois.

Outros Muçulmanos eram cruelmente espancados ou obrigados a deitar-se sobre as areias do deserto escaldante da Arábia e pedras pesadas eram colocadas sobre eles. Os seus perseguidores exigiam que os Muçulmanos renunciassem a sua fé, mas eles nunca aceitavam abandonar o Islão.

Além disso, depois de serem expulsos das suas casas, o Sagrado Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) e os seus seguidores não foram deixados em paz, e os opositores do Islão perseguiram-nos a fim de declarar guerra para eliminar o Islão de uma vez por todas. Foi então que Deus Todo-Poderoso permitiu que os Muçulmanos se defendessem, mas não apenas para defender o Islão, mas para defender a instituição da própria religião e para defender o princípio da liberdade religiosa universal.

Hadrat Mirza Masroor Ahmad disse:

“Os Muçulmanos que foram torturados pelos não-Muçulmanos no início do Islão nunca vacilaram na sua fé porque receberam as boas novas de alcançar o paraíso. No entanto, os terroristas e os governantes injustos de hoje, que perpetram as crueldades mais hediondas, nunca entrarão no paraíso, ao contrário, o seu único destino é o inferno.”

Sua Santidade citou o versículo 194 de capítulo 2 do Sagrado Al-Corão que afirma:

“E combatei até que não haja perseguição alguma, e a religião seja livremente professada para Allah. Mas se eles desistirem, então recordai que nenhuma hostilidade é permitida exceto contra os agressores.”

Explicando o significado desse versículo, Hadrat Mirza Masroor Ahmad disse:

“Este versículo dá uma ordem muito clara de que os Muçulmanos só podem envolver-se numa guerra numa capacidade defensiva, quando um ataque é feito para destruir a religião. Não é permitido fazer guerras para perseguir interesses pessoais ou para conquistar a riqueza de outros ou conquistar terras ou pessoas.”

Hadrat Mirza Masroor Ahmad continuou:

“Mesmo na guerra defensiva, o Islão deixa muito claro que apenas os agressores podem ser alvos e não é permitido atacar pessoas inocentes. Desta forma, se os extremistas Muçulmanos estão a travar guerras onde os inocentes estão a ser mortos, é completamente bárbaro e nunca pode ser justificado. Da mesma forma, os governos que estão a fazer ataques aéreos em que pessoas inocentes estão a morrer, também estão a cometer grandes crueldades.”

Mais tarde, Sua Santidade referiu-se ao exemplo do Sagrado Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) quando ele regressou vitoriosamente a Meca como governante e teve a oportunidade de vingar aqueles que tinham torturado e assassinado inúmeros Muçulmanos nos últimos anos.

Hadrat Mirza Masroor Ahmad disse:

“As crueldades e os crimes cometidos pelos não-Muçulmanos de Meca durante muitos anos indicam que o Sagrado Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos estejam sobre ele) teria sido justificado em autorizar todos os meios de punição. No entanto, aquele que era a verdadeira ‘misericórdia para toda a humanidade’ e era o ‘Rei da Paz’ proclamou que todas as transgressões e crueldades tinham de ser perdoadas. Ele disse que todos aqueles dispostos a viver em paz eram livres e todos tinham o direito de praticar as suas crenças sem nenhum medo.”

No início do dia, mais de 41 mil Muçulmanos da Comunidade Ahmadia que participaram no evento em Karlsruhe prestaram promessa emocional de fidelidade (Bai’at) na mão do Quinto Sucessor do Messias Prometido (que a paz esteja com ele), enquanto os Muçulmanos da Comunidade Ahmadia ao redor do mundo também participaram através de transmissão ao vivo no canal MTA Internacional.

Durante a cerimónia, numerosas pessoas prestaram a promessa de fidelidade pela primeira vez.

 

alislam
Por alislam Agosto 28, 2017 20:00

Sermão de Sexta-Feira do Califa

Vertical Navigation
Vertical Navigation